inspiração      inovação      creative lab
Portal de Tendências
    Como um local tão tradicional como Valência
    abriga uma das obras arquitetônicas mais
    desafiadoras do século XXI?
    Esta é uma pergunta recorrente que todos
    viajantes se fazem quando visitam Valência. O
    poder inventivo de Gaudí, Picasso e Miró
    dentre tantos outros gênios espanhóis desperta
    uma grande curiosidade: afinal, de onde vem
    tanta inspiração?

    Nesta primeira viagem, vamos conhecer a
    Cidade das Artes e das Ciências - Valência,
    Espanha.

E tudo começou com o pensar nos caminhos da
educação do futuro...

A ideia inicial partiu de um professor de história da ciência da
Universidade de Valência, Dr. José María López Piñero, que
defendia a existência de um espaço na cidade para se tornar um
museu experimental, interativo e científico. Para ele, a
aprendizagem está ligada à vivência, à observação e à
proximidade com o conhecimento e experimentação. Este
conceito foi ampliado: de um museu de ciências para um conjunto
de edifícios culturais com uma concepção arquitetônica que
remetesse o visitante ao futuro. A tecnologia interativa seria a
grande aliada nesta trajetória pela ciência. Foi projetada pelos
arquitetos Santiago Calatrava e Félix Candela, em 1996.  
Calatrava, um dos arquitetos mais ousados deste século, é
Valenciano.

O complexo localza-se às margens do Rio Túria com uma área
aproximada de 17.500m². É composto  por  edíficios com
arquitetura arrojada,  rodeados por espelhos d’água, sendo cinco
deles projetados por Calatrava. O plano da cidade está dividido
em quatro áreas do conhecimento: Cosmos, Biosfera, Primórdios da
Humanidade e Cultura.

L’Umbracle é a entrada do complexo e um caminho sombreado
(l'umbra) por vegetação. Foi pensado como um jardim para o
futuro, com 130 metros de comprimento e  60m de largura. Está
cercado por palmeiras e plantas nativas. É estruturado por arcos
inclinados para que futuramente as trepadeiras cubram todo o
espaço ao longo deste caminho. É possível vivenciar a arte no
Caminho das Esculturas, com nove esculturas de artistas
contemporâneos, tais como Carmen Calvo, Eva Lootz, Ramón de
Soto e Yoko Ono. O  “
Jardim da Astronomia”, é uma exposição que
tem por objetivo passar os conceitos dos movimentos de rotação
dos planetas, estrelas, os solstícios e equinócios de maneira
interativa, com equipamentos de realidade virtual.

L’Hemisfèric é o local destinado aos espetáculos audiovisuais e foi
projetado para que se assemelhasse a um “um olho que tudo vê”.
Possui até mesmo uma espécie de pálpebra de vidro que pode ser
aberta e fechada. O
Laserium é uma apresentação de laser capaz
de cobrir a superfície do telão de 990m², com um show de luzes,
cores e movimentos. É possível assistir aos filmes 3D no
IMAX dome,
com um sistema de som de última geração. O local também tem
um planetário que pode projetar até 9.100 estrelas, constelações,
imagens panorâmicas da superfície de planetas, plataformas
espaciais, dentre outros recursos avançados.


“É proibido não tocar, não sentir e não pensar”        

Museu das Ciências Príncipe Felipe é uma estrutura que impressiona
pela gigantesca forma orgânica. O espaço apresenta uma
uniformidade na superfície externa que também é visualizada pela
integração interna dos pavimentos. São três andares dedicados
aos temas: evolução da vida, ciência, tecnologia, meio-ambiente
e educação. O lema do museu convida a uma atitute  interativa:  
"É proibido não tocar, não sentir e não pensar”.

Neste espaço aontecem diversas exposições temporárias e  fixas
tais como  “O Legado da Ciência”, “Mudança Climática”, “Floresta
Cromossômica”. Lá se encontra uma representação artística
helicoidal do DNA de 15 metros e o um grande pêndulo de 34
metros de comprimento pesando 170 quilos, um dos maiores do
mundo. Outra atração é a “gravidade zero” criada em conjunto
com a Agência Espacial Europeia para simular a movimentação
em uma estação espacial.

L’Oceanogràfic: Projetado pelo arquiteto espanhol Félix Candela, o
grande complexo arquitetônico está dividido em dez setores que
simulam os sete ecossistemas mais importantes do mundo sendo
um departamento para pesquisa científica marinha e educação.
São quase 45.000 animais de 500 espécies diferentes. É uma
extensão de pesquisa avançada da Universidade de Valência. A
área está dividida em muitos setores, dentre eles:
"Aviário e Manguezal" é um local cuja umidade é controlada de
forma a simular um micro clima semelhante a um pântano.
"Mar Mediterrâneo" mostra a riqueza biológica do mar, à medida
que o visitante avança em profundidade. São nove aquários de
diferentes formatos, dependendo do habitat representado.
São cerca de 7.400 espécies de peixes e invertebrados.     
“Océanos” representa o Oceano Atlântico. O espaço contém um
túnel submerso que os vistantes podem ver espécies como o
tubarão-touro e tubarão cinzento.
“Ártico” é uma grade estrutura sememlhante a um iglu. Representa
o habitat de morsas e baleias brancas.
“Islas” é uma área descoberta com leões marinhos vindos das ilhas
da região da Patagônia,
“Dolphinarium” conta com 26 milhões de metros cúbicos de água,
um total de cinco piscinas que podem acomodar golfinhos.

Palácio das Artes Rainha Sofia: Idealizado para apresentações de
arte, teatro, dança, concertos e principalmente ópera. No prédio
está o “Centro de Aperfeiçoamento Plácido Domingo” que tem
como objetivo promover a formação de profissionais de alto nível
em canto e música. A arquitetura do prédio surpreende pelos 75
metros de altura com uma estrutura arrojada. É considerada a casa
de opera com pé-direito mais alto do mundo, superando a Ópera
de Sidney. A construção foi iniciada em 1995 e inaugurada em
2005, tem 17 pisos sendo três subterrâneos. Tem quatro auditórios,
incluindo o principal, que pode acomodar mais de 1.400 pessoas.
Além disso, o palácio está interligado com passagens para o jardim
e os espelhos d´água.

Ágora: É o mais novo espaço do complexo e foi projetado para
receber diferentes tipos de eventos. Portanto, a arquitetura foi
extremamente versátil e multifuncional para atender um programa
para realização de congressos, desfiles de moda, concertos,
performances, exposições e até mesmo partidas esportivas e
shows. A estrutura metálica é nervurada e composta por elipses
com 88 metros de comprimento por 66 de largura. Há um sistema
avançado de abertura do teto que controla a quantidade de luz
natural que deve iluminar o interior. Diferente dos outros prédios
que são brancos, a Àgora é em sua maior parte azul. Dependendo
da configuraçao, o espaço pode acomodar até 6.000 pessoas.

A Cidade das Artes e das Ciências é inspiradora. Certamente é um
dos pontos de contato com o futuro! Faça uma visita virtual 3D e
veja também os links recomendados abaixo. Boa viagem!

Ana Claudia Azevedo | Rio de Janeiro
Liliane Valillo | São Paulo
Marcia Holland | São Paulo

portal@portaldetendencias.com - Direitos Reservados
jul|2017
Imagens: Divulgação CAC - Valência - ES | Disney Studios
.
TRADIÇÃO  X  MODERNIDADE:
A CIDADE DAS ARTES E DAS CIÊNCIAS - VALÊNCIA - ESPANHA

    Única,
    Impressionante e
    Futurista


    O grupo iconográfico de edifícios chamou a atenção do produtor de Tomorrowland, Jeffrey
    Chernov, que citou o complexo em uma recente conferência. "A arquitetura de Calatrava é
    simplesmente fenomenal, inventiva e excitante. É muito estrutural, esquelética, como se você
    estivesse olhando para as vértebras de um dinossauro ou peixe pré-histórico", disse Chernov. "Você
    entra e nunca quer sair. Essa é a vibração que queríamos para Tomorrowland".

    A Àgora foi a locação principal para realização do filme. A título de curiosidade, o ator George
    Clooney e o diretor Brad Bird elogiaram o local, pois pela primeira vez conseguiram uma
    ambientação física que fosse adequada ao roteiro. Na maioria das vezes, estes filmes são rodados
    100% em estúdio fechado, utilizando a tecnologia chroma key onde se projeta num fundo verde o
    cenário imaginário. “A parte divertida para nós é que, muitas vezes, quando se trabalha em um
    filme como esse é tudo acontece numa grande tela verde dentro do estúdio e você não
    consegue ter uma ideia de proporção ou vivenciar espacialmente o que está acontecendodisse
    Clooney. Estávamos nesse grande cenário, mas ao mesmo tempo estávamos em Valência com
    esses prédios supreendentes. Eu nunca vi nada como isto no mundo.” disse Bird. “É lindo, muito
    pouco convencional, baseado em formas naturais, mas ao mesmo tempo abstrato e tecnológico”.

    que  sempre imaginou um futuro otimista. De acordo com o enredo do filme, a cidade de
    Tomorrowland foi criada "em algum lugar no tempo e no espaço" por Gustave Eiffel, Julio Verne e
    Thomas Edison. Clooney interpreta Frank, que conheceu a cidade quando menino e que agora mais
    velho se junta a uma adolescente para encontrá-la e descobrir seus segredos.

    De onde vem tanta criatividade?
    SANTIAGO CALATRAVA: Arte + Arquitetura + Engenharia Civil

    Santiago Calatrava Valls nasceu em Valência. Foi na sua cidade natal que teve os primeiros
    contatos com as artes visuais ao frequentar a Escola de Artes e Ofícios Artísticos. Formou-se
    em Arquitetura pela “Escuela Técnica Superior de Arquitectura de Valência” onde, também
    realizou pós-graduação em Urbanismo.

    As concepções mais pragmáticas relacionadas com a arquitetura e com a tecnologia
    construtiva, assim como o fascínio pela matemática e pelo cálculo, levaram-no a graduar-se
    no curso de Engenharia Civil no ETH - Instituto Federal de Tecnologia em Zurique, Suíça. Em
    seguida, fez o doutoramento em “Ciências Técnicas” na mesma instituição.

    As suas pesquisas e projetos  implicam numa união entre duas disciplinas que começaram a
    distanciar-se desde os finais do séc. XVIII: a arquitetura e a engenharia civil.
    Em suas obras, utiliza o aço em estruturas, vigas, pilares ou combina-os com vidro em
    coberturas, paredes e fachadas; emprega o concreto armado, com características
    orgânicas, onde realça valores tectônicos e táteis.

    Calatrava inspira-se em estruturas da natureza, formas antropomórficas, na articulação de
    peças de um esqueleto (tendões, rótulas, etc) e combina-os com o conhecimento da história
    recente da arquitetura, estudando obras relevantes da linguagem expressionista na
    arquitetura.

    Porém,  isso tem um preço muito alto. Em todos projetos, Calatrava enfrentou desafios
    complexos, com soluções técnicas aparentemente simples, mas as formas orgânicas nem
    sempre foram solucionadas pelos materiais e tecnologias atuais. As arrojadas soluções
    espaciais geram muitos problemas de estabilidade das construções, infiltrações e
    manutenções constantes.

    Calatrava se interessa por tudo que é inovador, inclusive a aplicação de novos métodos
    construtivos com materiais avançados. É possível, num horizonte de curto prazo, que com as
    novas tecnologias construtivas de impressão 3D, este problema deixe de existir e se tornar
    um grande aliado na sua genialidade. Já pensou nisso, Calatrava?
Museu das Ciências
Príncipe Felipe
Palácio das Artes
Rainha Sofia
L' Umbracle
Àgora
Cena de Tomorrowland, Disney Studios.
    TENDÊNCIAS
    INSPIRAÇÕES
AO  REDOR  
D
O MUNDO
Av. Queiroz Filho, 1700 - Villa Lobos Office Park, São Paulo - SP -  05319-000
+55 11 3673-8249 | +55 11 95051-8249 | portal@portaldetendencias.com
Horário de atendimento: 2ª - 6ª feira:  10h - 16h
Copyright Portal de Tendências - Creative Lab. Todos os direitos reservados.